Notícias

A resposta da UE à Covid-19 é suficiente?

Sessão online com Carlos Moedas, ex Comissário Europeu

O ex Comisário Europeu Carlos Moedas foi convidado do Agrupamento dos Alumni da AESE para uma sessão online subordinada ao tema “A resposta da UE à Covid-19 é suficiente?”. A relação com a Escola foi referida com muito apreço pelo convidado, que se juntou a esta conferência virtual, a 30 de abril de 2020, a pretexto do momento ececional que se vive em todo o mundo.
“Vivemos uma crise sem precedentes e não temos ainda a noção daquilo que vai ser.” Carlos Moedas, introduziu o tema, chamando à atenção para “o perigo de morte da Europa” para o qual alertou Jacques Delors. Na sua intervenção, Carlos Moedas olhou para o passado com otimismo e apresentou uma visão de futuro. “Temos de agir com grande velocidade, rapidez e responder com grande escala.” “No Eurogrupo, conseguimos em poucas semanas ter uma resposta de escala”, muito mais rápida do que a concertada na crise económica de 2008. Uma das iniciativas implementadas foi a reação ao Desemprego, tomada com o alinhamento dos vários Estados Membros. Do seu ponto de vista, o desafio perfila-se relativamente à recuperação da crise, caso o orçamento não equivala a 10 % do PIB europeu.
“A Europa avança sempre para mais Europa: reforçou-se sempre com as crises.” No jogo entre “Crise, caos, tensão e solução”, Carlos Moedas conclui que: “são as tensões que levam às soluções.”
O papel da Europa tenderá a seu ver deixar de ser de protecionismo para harmonisar regras de precaucionismo. A narrativa do populismo também abrandou: “os países têm de estar coordenados, em relação” à defesa e à segurança. A capacidade de Open Innovation e Open Science terá um novo impulso, ainda que com recursos escassos.
“A educação, a saúde e o trabalho vão ter uma aceleração”, que já se notou, segundo Carlos Moedas, com um avanço de “décadas”. O orador convidado fechou a sua apresentação com a nota de que “vai utilizar-se cada vez mais o digital no futuro”, prevendo-se”uma tensão entre a liberdade e o controlo”.
No final da sessão, os Alumni da AESE colocaram as questões que foram gentilmente respondidas pelo orador. 

O ex Comisário Europeu Carlos Moedas foi convidado do Agrupamento dos Alumni da AESE para uma sessão online subordinada ao tema “A resposta da UE à Covid-19 é suficiente?”. A relação com a Escola foi referida com muito apreço pelo convidado, que se juntou a esta conferência virtual, a 30 de abril de 2020, a pretexto do momento excecional que se vive em todo o mundo.


“Vivemos uma crise sem precedentes e não temos ainda a noção daquilo que vai ser.” Carlos Moedas introduziu o tema, chamando à atenção para “o perigo de morte da Europa”, para o qual alertou Jacques Delors. Na sua intervenção, Carlos Moedas olhou para o passado com otimismo e apresentou uma visão de futuro. “Temos de agir com grande velocidade, rapidez e responder com grande escala.” “No Eurogrupo, conseguimos em poucas semanas ter uma resposta de escala”, muito mais rápida do que a concertada na crise económica de 2008. Uma das iniciativas implementadas foi a reação ao Desemprego, tomada com o alinhamento dos vários Estados Membros. Do seu ponto de vista, o desafio perfila-se relativamente à recuperação da crise, caso o orçamento não equivala a 10 % do PIB europeu.

“A Europa avança sempre para mais Europa: reforçou-se sempre com as crises.” No jogo entre “crise, caos, tensão e solução”, Carlos Moedas conclui que: “são as tensões que levam às soluções.

”O papel da Europa tenderá a seu ver deixar de ser de protecionismo para harmonisar regras de precaucionismo. A narrativa do populismo também abrandou: “os países têm de estar coordenados, em relação à defesa e à segurança." A capacidade de Open Innovation e Open Science terá "um novo impulso, ainda que com recursos mais escassos".

“A educação, a saúde e o trabalho vão ter uma aceleração”, que já se começou a notar, segundo Carlos Moedas, e o avanço foi de “décadas”. O orador convidado fechou a sua apresentação com a nota de que “vai utilizar-se cada vez mais o digital no futuro”, prevendo-se”uma tensão entre a liberdade e o controlo”.

No final da sessão, os Alumni da AESE colocaram as questões que foram gentilmente respondidas pelo orador.