Notícias

IBM Watson, Weather & Agro Management

O setor agrícola e agroindustrial em debate na AESE

 

Lisboa, 17 de dezembro 
IBM Watson, Weather and Weather & Agro Management
O GAIN da AESE organizou, a 16 de dezembro, um encontro sobre “IBM Watson, Weather and Weather & Agro Management”. Paulo Pinto Coelho, Director of Multicloud Services and Solution, da IBM, foi o orador convidado.
Profundo conhecedor das tendências de mercado e empenhado no desenvolvimento de soluções para os clientes IBM, a sua experiência passa entre outras áreas pela aplicabilidade da Internet of Things.
Numa entrevista da AESE, o orador resumiu as principais ideias da sua intervenção para um público de dirigentes de empresas agrícolas e agroindustriais.
Quais as vantagens da Inteligência Artificial e, mais concretamente, do sistema Watson da IBM, ao serviço do setor agroindustrial? 
PPC: “A visão da IBM na adoção de soluções de IoT nas diferentes indústrias, e também na agro-industrial, é que cada projeto é um projeto diferente e que deve ser trabalhado muito junto de quem conhece os seus dados e as suas soluções, de forma a fazer evoluir o seu negócio com o objetivo final de garantir maior rentabilidade. 
A IBM lançou uma nova plataforma para Agricultura, denominada Watson Decision Platform for Agriculture. O foco da plataforma é melhorar o rendimento e a qualidade geral das colheitas de forma segura e sustentável. O Watson Decision Platform combina o poder da Inteligência Artificial (IA), análises e informações preditivas com os dados exclusivos da Internet of Things (IoT) agrícola, a experiência de líderes veteranos da indústria e décadas de pesquisa da IBM nos seus laboratórios de research. 
Consideramos que as APIs que disponibilizamos na nossa plataforma, através da IBM Cloud, de dados meteorológicos, fornecem ao agro-negócio acesso a uma variedade de dados e informação, baseadas nas condições climatéricas que podem ajudar a definir novos modelos preditivos, com impacto direto neste tipo de negócio. 
A conjugação destes dados, com dados já existentes no setor agroindustrial, permitem na nossa opinião, através da agregação e estruturação dos dados, melhorar aquilo que é hoje o setor, através do uso de tecnologia IBM.”   
O que pensa desta iniciativa do GAIN da AESE, ao promover o debate sobre a utilização da Inteligência Artificial ao setor agrícola e agroindustrial?
PPC: “Considero a iniciativa da AESE muito positiva, acima de tudo, pela especificidade da área, e pela capacidade de juntar diferentes interlocutores, muitas vezes concorrenciais no seu negócio, numa discussão aberta e em prole do objetivo de melhorar o setor agroindustrial. Consideramos que a utilização da dados de uma forma estruturada é e pode ser uma mais valia para qualquer setor, mas também temos plena conhecimento e consciência, de que a experiência de muitos dos presentes é uma mais valia para se construir melhores modelos tecnológicos ou de suporte ao negócio. e que podem acima de tudo responder às necessidades de alimentar uma população mundial em 2050 de uma forma sustentável e viável.”
O encontro foi seguido de um almoço convívio, que permitiu explorar com detalhe mais alguns temas relacionados, entre pares. 

O GAIN da AESE organizou, a 16 de dezembro, um encontro sobre “IBM Watson, Weather and Weather & Agro Management”. Paulo Pinto Coelho, Director of Multicloud Services and Solution, da IBM, foi o orador convidado.

Profundo conhecedor das tendências de mercado e empenhado no desenvolvimento de soluções para os clientes IBM, a sua experiência passa entre outras áreas pela aplicabilidade da Internet of Things.

Numa entrevista da AESE, o orador resumiu as principais ideias da sua intervenção para um público de dirigentes de empresas agrícolas e agroindustriais.


Quais as vantagens da Inteligência Artificial e, mais concretamente, do sistema Watson da IBM, ao serviço do setor agroindustrial? 
PPC: “A visão da IBM na adoção de soluções de IoT nas diferentes indústrias, e também na agro-industrial, é que cada projeto é um projeto diferente e que deve ser trabalhado muito junto de quem conhece os seus dados e as suas soluções, de forma a fazer evoluir o seu negócio com o objetivo final de garantir maior rentabilidade. A IBM lançou uma nova plataforma para Agricultura, denominada Watson Decision Platform for Agriculture. O foco da plataforma é melhorar o rendimento e a qualidade geral das colheitas de forma segura e sustentável. O Watson Decision Platform combina o poder da Inteligência Artificial (IA), análises e informações preditivas com os dados exclusivos da Internet of Things (IoT) agrícola, a experiência de líderes veteranos da indústria e décadas de pesquisa da IBM nos seus laboratórios de research. Consideramos que as APIs que disponibilizamos na nossa plataforma, através da IBM Cloud, de dados meteorológicos, fornecem ao agro-negócio acesso a uma variedade de dados e informação, baseadas nas condições climatéricas que podem ajudar a definir novos modelos preditivos, com impacto direto neste tipo de negócio. A conjugação destes dados, com dados já existentes no setor agroindustrial, permitem na nossa opinião, através da agregação e estruturação dos dados, melhorar aquilo que é hoje o setor, através do uso de tecnologia IBM.”   


O que pensa desta iniciativa do GAIN da AESE, ao promover o debate sobre a utilização da Inteligência Artificial ao setor agrícola e agroindustrial?
PPC: “Considero a iniciativa da AESE muito positiva, acima de tudo, pela especificidade da área, e pela capacidade de juntar diferentes interlocutores, muitas vezes concorrenciais no seu negócio, numa discussão aberta e em prole do objetivo de melhorar o setor agroindustrial. Consideramos que a utilização da dados de uma forma estruturada é e pode ser uma mais valia para qualquer setor, mas também temos plena conhecimento e consciência, de que a experiência de muitos dos presentes é uma mais valia para se construir melhores modelos tecnológicos ou de suporte ao negócio. e que podem acima de tudo responder às necessidades de alimentar uma população mundial em 2050 de uma forma sustentável e viável.”


O encontro foi seguido de um almoço convívio, que permitiu explorar com detalhe mais alguns temas relacionados, entre pares.