Sessão de Continuidade

<< Voltar

A Economia de Francisco

Explicado a Economistas



Descrição
 
Desde o famoso livro de Paul Samuelson de 1948, pouco mudou na maneira como as gerações de estudantes universitários aprendem os conceitos básicos de economia. O campo pode ser apelidado de ciência oculta, mas não há nada de sombrio no seu princípio central, a saber, que os mercados “bem comportados” são eficientes e, portanto, basta com laissez-faire.
 
O Papa Francisco - e mais de um século de papado antes dele - continua a insistir que nem tudo está bem com o modo como a economia funciona: há grande riqueza, mas também há pobreza e fome; e há um planeta que sofre com os excessos dos chamados mercados “bem-comportados”. E quando o papa escreve que “os mercados tiveram um papel na exploração excessiva”, muitos dos economistas de formação clássica franzem o sobrolho e manifestam alguma descrença.
 
Nesta sessão, o Prof. Luis Cabral irá defender que o ensino do papa Francisco faz todo o sentido - inclusive o económico -, uma vez que se entende que:
 
(1) O liberalismo e, em particular, o libertarismo, baseia-se numa confusão fundamental entre eficiência de mercado e otimização de mercado livre.
 
(2) A suposta impossibilidade de responsabilidade social corporativa de Milton Friedman se baseia numa premissa falsa - ou pelo menos incompleta.
 
(3) A economia é uma ciência social, e é necessário dar maior ênfase ao elemento “social”, isto é, a economia é mais do que a economia dela.

Desde o famoso livro de Paul Samuelson de 1948, pouco mudou na maneira como as gerações de estudantes universitários aprendem os conceitos básicos de economia. O campo pode ser apelidado de ciência oculta, mas não há nada de sombrio no seu princípio central, a saber, que os mercados “bem comportados” são eficientes e, portanto, basta com laissez-faire. 

O Papa Francisco - e mais de um século de papado antes dele - continua a insistir que nem tudo está bem com o modo como a economia funciona: há grande riqueza, mas também há pobreza e fome; e há um planeta que sofre com os excessos dos chamados mercados “bem-comportados”. E quando o papa escreve que “os mercados tiveram um papel na exploração excessiva”, muitos dos economistas de formação clássica franzem o sobrolho e manifestam alguma descrença.

Nesta sessão, o Prof. Luis Cabral irá defender que o ensino do papa Francisco faz todo o sentido - inclusive o económico -, uma vez que se entende que: 

  1. O liberalismo e, em particular, o libertarismo, baseia-se numa confusão fundamental entre eficiência de mercado e otimização de mercado livre. 
  2. A suposta impossibilidade de responsabilidade social corporativa de Milton Friedman se baseia numa premissa falsa - ou pelo menos incompleta. 
  3. A economia é uma ciência social, e é necessário dar maior ênfase ao elemento “social”, isto é, a economia é mais do que a economia dela.

Horário
17:45 | Receção dos participantes
18:00 | Início da sessão e Q&A
19:30 | Conclusão

As sessões de continuidade do Agrupamento dos Alumni da AESE são patrocinadas por: AON, Axians, Gestmin, Konica Minolta e Grupo Trivalor.

Professores
Luis Cabral
NYU Stern, IESE e AESE Business School
 

Luís Cabral, Professor da NYU Stern, do IESE e da AESE Business School 

Metodologia

Conferência colóquio

Idiomas

Português

Locais
Lisboa

Data:

14 de janeiro de 2020

Horário:

Das 17h45 às 19h30

Data limite:

9 de janeiro de 2020

Preço:

Inscrições 
Membros do Agrupamento de Alumni AESE | Gratuito
Geral | 40€ 

Membros do Agrupamento de Alumni AESE | Gratuito
Geral | 40€ 

Inscreva-se ›