AESE insight

AESE insight

AESE insight #51 > Thinking ahead

Construir o Futuro faz sentido?

Pedro Alvito

Professor de Política de Empresa da AESE Business School e Diretor do Programa “Construir o Futuro nas Empresas Familiares”

Vivemos numa sociedade que se preocupa cada vez mais com a satisfação imediata das necessidades, buscando um consumismo a que eu chamo de satisfação pela antecipação – queremos sempre ter e experimentar aquilo que acabou de sair e principalmente fazê-lo antes de todos os outros.

Pensar que vamos comprar algo para usufruir apenas daqui a alguns meses ou anos é impensável. Tudo se centra na satisfação no hoje.

Todo este processo traz implicações inevitáveis ao nível da gestão. A excessiva preocupação com a mudança que gera desperdícios infindáveis nas empresas sem proveitos palpáveis ou evidentes ao que se junta uma gestão profissional quase sempre a prazo limitado no tempo gera inevitavelmente uma preocupação excessiva com o hoje por parte de muitos gestores.

O sucesso está, pois, intimamente ligado ao conceito do imediato, basta ver qualquer canal de televisão e todos os programas prometem mundos e fundos para o agora, mas nenhum trabalha uma carreira que seja sustentável. Inevitavelmente que a qualidade baixa, o consumo torna-se instantâneo e o futuro para aqueles que participam (tirando raríssimas exceções que confirmam a regra) nunca irá existir deixando para trás esse sucesso e brilho fugaz.

Noutros tempos (expressão hoje em dia tão odiada) tudo era feito a pensar no futuro – a música, a arte no geral, o pensamento político, a gestão estratégica e até os móveis da nossa casa. Hoje lembramos mais facilmente um sucesso musical dos anos 60, 70 ou 80 do que um do ano passado ou de há dois anos. A arte passou a ser feita de instalações temporárias, performances e manifestações artísticas caracterizadas pelo efémero. O pensamento político transformou-se em propaganda e tecnocracia ao sabor de eleições ou de sondagens em que o programa político dos partidos é substituído pelas ideias e pela agenda dos seus líderes e os móveis deixaram de ter estilo e até de ter madeira para se tornarem material de desgaste rápido… Na gestão procuramos como na agricultura e sem olhar às consequências, o lucro rápido dos eucaliptos em vez de deixar às gerações vindouras a riqueza dos sobreiros. O que importa é valorizar ações, distribuir dividendos crescentes e criar seguidores e apoiantes nas redes sociais que transformem a empresa num sucesso mediático.

No entanto este cenário aparentemente apocalíptico tem os seus D. Quixote dos tempos modernos – as empresas familiares. Dizem os estudos que as empresas familiares são as mais avessas à mudança e mais conservadoras em termos de processo de decisão, mas são também as que mais investem em inovação, fomentam o emprego, apostam no mercado global e criam riqueza para o país. São também aquelas que mais se preocupam em olhar para o futuro não esquecendo o presente. Só com muita sorte chegaremos a um futuro melhor se não traçarmos um objetivo concreto, definido e quantificado a partir sempre de uma realidade presente devidamente analisada e conhecida.

A gestão é feita de outro modo. Dá-se importância ao que é realmente importante e o foco está na sustentabilidade do crescimento e na continuidade do negócio.

É importante ter uma gestão preocupada não só com o governo da empresa mas também com a posição da família na empresa e a sua governance, saber gerir corretamente e antecipadamente um processo de sucessão, enquadrar toda a questão financeira dos dividendos, investimentos e participações de capital em termos de empresa e família, saber comunicar não só para o exterior mas também para o interior da empresa e da família, conseguir concluir acordos de família que permitam criar um quadro de funcionamento saudável para o futuro da empresa e da respetiva família são tudo tarefas próprias destes D. Quixote dos tempos modernos.

O longo prazo é a continuidade, é o futuro que as famílias querem para as suas empresas fora de qualquer moda temporária ou mudança impingida por obrigações sociais de circunstância. Gerir uma empresa familiar não é gerir o “meu” negócio, mas receber um ativo da geração acima e torná-lo ainda melhor e mais forte para a geração abaixo.

É por isso que Construir o Futuro nas empresas familiares é uma obrigação e será sempre o desígnio dos seus gestores.

Foi com base nesta convicção que escrevi o livro intitulado “Manual de Como Construir o Futuro nas Empresas Familiares” porque julguei ser importante criar um referencial rápido para todas as gerações envolvidas e para todos os membros das famílias empresárias independentemente do seu posicionamento acionista e de gestão. Este aspeto é crucial nas empresas. Gerir uma empresa familiar implica todo um conjunto de relações que importa conhecer e saber gerir. A família pode e deve ser uma alavanca para o negócio criando uma base sólida para que o mesmo se possa desenvolver.

Construir o Futuro faz aqui todo o sentido, por favor não sonhem apenas com o imediato.

Outros artigos da edição de 14 de outubro do AESE insight

Bons e novos desafios para o ecossistema da vinha e do vinho

José Ramalho Fontes, Presidente da AESE Business School e Professor de Operações e Tecnologia

Competências distintivas de um país?

Eugenio Viassa Monteiro, Professor de Fator Humano na I.I.M.Rohtak (India)

What is the environmental impact of hydraulic fracturing?

Pietro Bonetti of IESE, Christian Leuz of the University of Chicago Booth School of Business and Giovanna Michelon of the University of Bristolm, IESE insight

6 Strategies for Leading Through Uncertainty

Rebecca Zucker and Darin Rowell, Harvard Business Review

The surprising link between creativity and risk

Michele Wucker, strategy+business

To control the anxiety produced by moments of intense pressure, first step back and analyze the stakes

Theodore Kinni, strategy+business

Próximos programas de formação

DEEP -Digital Emersion Executive Program – live online

Início a 25 de outubro

Programa de Alta Direção de Empresas (PADE)

Início a 2 e 3 de novembro, em Lisboa e no Porto

Hospital Business Enhancement (HBE) live online

Início a 8 de novembro