O giving back de um líder e a saúde mental

10/09/2021

Num ambiente pós-pandemia, colaboradores, clientes e investidores criaram grandes expectativas para as empresas com quem trabalham.


Por esta razão, a AESE organizou uma sessão Alumni Learning Program “A consciência da saúde mental é uma competência de liderança e de giving back”, com o especialista Pedro Afonso, CEO da VINCI Energies Portugal. A sessão presencial realizou-se a 10 de setembro, no edifício sede da AESE, com transmissão remota para os dirigentes e executivos que quiseram participar remotamente.


“Decisões com propósito por vezes tiram-nos o sono durante meses. E são essas que nos devem preocupar.” Pedro Afonso deu início à sua intervenção partilhando um episódio com a audiência sobre uma fase em que a privação de sono serviu e alerta. “Aquele problema apareceu quando aquilo que eu dizia, não estava alinhado com aquilo que eu sentia, nem com aquilo que eu fazia. Por isso, a grande lição é que aquilo que nós dizemos, sentimos e fazemos tem que estar alinhado com aquilo em que acreditamos e aquilo em que a empresa ou a organização em que trabalhamos acredita.” A decisão em função de um propósito não dá tréguas a um líder: “é uma decisão diária, que fazemos em cada interação na organização, em cada relação.”


Sobre valores, o autor da obra “Leadership – The Power of Giving Back” fez ver que “por vezes somos moldados com os resultados de curto prazo e isso influencia o nosso processo de decisão.” Para além disso, e “entre os resultados do presente e os valores de sempre, decidimos sempre com os valores de sempre. Ficamos mais saudáveis quando fazemos isso.”


Pedro Afonso distingue um gestor de um líder, na medida em que o gestor pensa nos processos e nas realizações, ao passo que o líder deve cuidar das relações. O autoconhecimento, a consciência para corrigir a direção, o saber assessorar-se e ouvir a crítica são fundamentais para ajustar a atitude. “O resultado da transformação de uma organização” depende “da mudança de comportamentos, skills, emoções nas equipas.” “Muitas vezes não damos o tempo para o luto corporativo”, que consiste na transição entre o “antigo normal” e o “novo normal”. Nesta passagem há um tempo biológico para a  mudança”. Pedro Afonso considera que este “é o fator crítico de sucesso para que a estratégia funcione no terreno”.


Para tudo isto é preciso “um poder de empatia”, “com uma componente de ação”. “Nós temos de fazer política”, defende o CEO da VINCI Energies Portugal, “ sentido de serviço, de ajudar e contribuir para a nossa comunidade, dentro da nossa organização.”


Na sua perspetiva, o que há a fazer é: “escolher os melhores” entre aqueles que acreditam na mesma pauta de valores, que sejam o cimento das organizações” e estimular a confiança. No caso da Vinci, algumas das medidas políticas tomadas passam por iniciativas de cuidados primários de saúde mental.


O seu livro “The power of giving back” vem responder à questão “como tomar decisões mais altruístas no nosso processo empresarial”. Para redigi-lo, Pedro Afonso desafiou a neurologista Luísa Lopes, o filósofo António Castro Caiero e a maestrina Joana Carneiro a partilhar as suas próprias reflexões sobre o tema e sintetizou as lições de liderança que lhe parecem mais prementes para decidir na atualidade. Para além de citar a visão de cada um, finalizou a sua apresentação com a visão do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, responsável pelo prefácio da obra.



A sessão terminou com um espaço de perguntas e respostas animado entre os participantes e o orador.