Notícias > Siza Vieira debate com empresários a posição de Portugal nos rankings de competitividade

Siza Vieira debate com empresários a posição de Portugal nos rankings de competitividade

4/02/2020, Lisboa

“Portugal nos rankings internacionais” reuniu empresários de vários setores de atividade na AESE. O encontro foi organizado pela Proforum, Fae e AESE, com o apoio da PwC, habituais parceiros na apresentação pública do Global Competitiveness Index, do World Economic Forum. O encontro teve lugar em Lisboa, no dia 4 de fevereiro de 2020.


Competitividade portuguesa: a responsabilidade do governo e da iniciativa privada


 José Ramalho Fontes, Presidente da AESE, encarou este encontro de uma forma muito positiva: “A presença do Senhor Ministro evidencia a íntima inter-relação do contexto com a competitividade das empresas e apela a uma melhoria nas nossas relações com o governo, num exercício prático da nossa responsabilidade como dirigentes nas áreas ambiental, social e de governança, esperando um respeito ativo pela iniciativa privada e pela liberdade do senhor Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, que tem um bom conhecimento da verdadeira criação de valor do nosso tecido empresarial.” E não deixou de alertar para o facto de já ser conhecido o relatório do Conselho de Finanças Públicas (CFP) relativamente ao Orçamento de Estado, “a versão final do relatório da UTAO e as recomendações da Comissão Europeia. A principal crítica do CFP é que este crescimento económico tem servido para reduzir o défice nominal e a dívida pública, mas que este crescimento resulta de uma conjuntura externa favorável e da absorção dos níveis anormalmente altos de desemprego que a crise 2008-2013 gerou. E não tem havido aumentos de produtividade que mostrem uma economia mais competitiva e robusta.”


No final do encontro, o Presidente da AESE felicitou Pedro Siza Vieira, Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, pela disponibilidade de estar presente e responder às questões colocadas pela audiência.


António Brochado Correia, CEO da PwC, apresentou uma análise global dos vários rankings internacionais que permitem traçar o perfil do País e a perceção exterior, mediante vários critérios de avaliação. Identificou metodologias e o posicionamento nacional em face de países estrangeiros de referência.


Ministro da Economia aponta a incoerência entre estatísticas e o posicionamento de Portugal nos rankings


“Sendo inequívoca a importância dos rankings internacionais, há desafios para reativar o posicionamento da economia portuguesa. Porém, o Ministro Siza Vieira apresentou dados estatísticos que contrariam os resultados publicados, nos quais Portugal surge atrás no score de países percecionados globalmente como tendo mais dificuldades em matéria de burocracia e legislação laboral, entre outros”. Ao longo da tarde, Siza Vieira respondeu às questões que lhe foram sendo colocadas pelos participantes. Aceitou o desafio de divulgar indicadores atuais objetivos para que os gestores de empresa possam olhar a realidade com sentido crítico.


A ideia foi recuperada, na análise de Paulo Carmona, Presidente da Fae. No seu entender, o Global Competitiveness Index tem sido respondido pelos gestores portugueses, com base “em estados de espírito”. É, portanto, necessário que as pessoas recorram a fontes de informação credíveis para avaliar o panorama nacional em termos de atratividade para o investimento.

Ilídio Serôdio, Presidente da PROFORUM, que acompanha de perto os resutados no Global Competitiveness Index, entende que as alterações do Governo criam nos investidores estrangeiros algum desconforto e instabilidade, devendo elevar-se a governação para lá de antagonismos partidários.


Investidores reconhecem atratividade portuguesa para os negócios


Luís Castro Henriques, Presidente da AICEP, declarou que a competitividade portuguesa é reconhecida pelos estrangeiros. Portugal registou a entrada de 177 milhões de euros que foram investidos em Investigação e Desenvolvimento Tecnológico. Luís Castro Henriques sublinhou a “perenidade” dos projetos em Portugal, o que revela a competitividade e a virtuosidade das iniciativas, acumulando um capital de conhecimento muito relevante. Na verdade, o Presidente da AICEP, concluiu que “muitas vezes conseguimos concorrer com os melhores do mundo e, às vezes, ganhamos”; todavia, negociar com investidores portugueses tem-se revelado mais complexo do que com agentes internacionais.


AESE nos media

“Vai ser absolutamente crítico” falta de banco de fomento em Portugal, diz Siza Vieira
JORNAL DE NEGÓCIOS ONLINE  – 04-02-2020

Presidente do AICEP diz que investidores olham hoje de “forma mais atenta” para a economia portuguesa
JORNAL ECONÓMICO ONLINE  – 04-02-2020

“Vai ser absolutamente crítico” falta de banco de fomento em Portugal
NOTICIASAOMINUTO.COM  – 04-02-2020

Siza Vieira: “Levo muito a sério” os ‘rankings’
SAPO 24  – 04-02-2020

“Vai ser absolutamente crítico” falta de banco de fomento em Portugal, diz Siza Vieira
ECO.PT  – 04-02-2020

“Levo muito a sério” os ”rankings””, garante Siza Vieira
NOTICIASAOMINUTO.COM  – 04-02-2020