Testemunhos > Histórias de Alumni AESE > Arnaldo Costa Figueiredo

Arnaldo Costa Figueiredo

Arnaldo Costa Figueiredo, Vice-presidente da Mota-Engil

Alumnus do PADE

“Pior que errar é persistir no erro” e “ter sorte dá muito trabalho” são duas máximas que Arnaldo Costa Figueiredo tem levado muito a sério, ao longo da sua carreira profissional.


Vice-presidente da Mota-Engil, cruzou-se com a AESE, no Porto, em 1993, e concluiu o PADE – Programa de Alta Direção de Empresas.


À parte os sucessos que foi acumulando, ser reconhecido pelos seus pares como “uma pessoa bem formada, confiável, séria e integra”, é uma das suas principais conquistas.



Quais os principais marcos na sua trajetória profissional, que contribuiram para chegar à posição na qual se encontra?
Felizmente muita coisa correu bem, nos já 33 anos que levo no Grupo, que naturalmente contribuíram para chegar onde cheguei, sendo Vice-Presidente, desde 2008 até ao presente. Mas a ter de destacar algumas, destacaria o ter aceitado o convite em 1988, para ser administrador da empresa Paviterra, em Angola, da qual na altura a Mota & C.ª era acionista em conjunto com o estado angolano, bem como o sucesso na internacionalização do Grupo, tendo sido a pessoa nomeada pela primeira vez, em 1993, com essa responsabilidade, responsabilidade que assumi diretamente, durante 15 anos.



Quais foram as suas principais conquistas?
Todo o meu percurso profissional está recheado de conquistas, umas maiores outras menores, mas a maior de todas, sem qualquer dúvida, é chegar a esta idade sendo considerado por todos os meus pares uma pessoa bem formada, confiável, séria e integra.
 


Quais as principais lições que a tornam a dirigente que é hoje?
Temos de estar preparados para que na vida nem tudo corra bem, há muitas coisas que não obstante poderem ter sido bem pensadas, correm menos bem, o fundamental é haver mais coisas a correr bem do que a correr mal. Pior que errar é persistir no erro. A vida ensina-nos que sem esforço nada se consegue e embora a sorte também desempenhe um papel importante, como já foi dito por muita gente, “dá muito trabalho ter sorte”. Importante ter capacidade de decisão, é melhor uma menos boa decisão do que não decidir, e muito importante também, equipas motivadas rendem mais, concorrendo para isso a procura constante da justiça e equidade interna.

 


Profissionalmente, como se vê daqui a 5 anos?
Dada a minha idade (65 anos), o mais provável é daqui a 5 anos ter uma vida mais calma, ou mesmo já estar reformado. Contudo, como de momento me sinto muito bem de saúde e com muita vontade e prazer em trabalhar, espero continuar por muitos anos mais, ainda que em funções não executivas.

Testemunhos relacionados

Dulce Mota

Banco Montepio

João Pedro Azevedo

Amorim Cork Composites

Vítor Virgínia

Merck Sharp & Dohme