O valor e os desafios da Economia Social

09/11/2021

“A Economia social é um tema tão complexo como apaixonante”. Manuela Silva, Membro da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE, introduziu o tema da sessão, do dia 9 de novembro de 2021, definindo como objetivos do encontro: o que significa o conceito de Economia social; o seu papel relativamente ao contexto público e privado não social; e o respetivo valor, materializado na oferta de bens e serviços, “que criam emprego e que têm um impacto económico muito relevante, junto das comunidades onde as organizações se inserem”.

Para ajudar a perceber a resposta a estas questões e a melhor forma de interação entre as organizações sociais e o mundo corporativo, a sessão do Alumni Learning Program contou com a participação da Professora Cátia Sá Guerreiro, especialista na área de Fator Humano na Organização e Diretora do programa GOS – Gestão das Organizações Sociais da AESE.


Economia social: o que é, que valor, que desafios?
As entidades da Economia social são por natureza organizações sem fins lucrativos, que constituem o Terceiro Setor da atividade económica. Desenvolvem a sua atividade com base no fundamento de trabalho voluntário por parte da Governance da instituição, não tendo por objetivo a criação de lucro, a não ser para a sustentabilidade da missão a que se propõem. Profunda conhecedora da matéria, a Prof. Cátia Sá Guerreiro caracteriza este setor “com uma diversidade de padrões funcionais extraordinária, marcado pela heterogeneidade” e complexidade.

“O sucesso deste setor fica geralmente no silêncio”. Apesar de “acolher” e “proteger” os beneficiários “daquilo que os possa prejudicar”, não existe um estudo anual sobre o trabalho desenvolvido por estas entidades. Nos dados publicados em 2016, conclui-se que a Economia Social “contribui com 3 % para o valor acrescentado bruto na economia nacional, com 5,3 % das remunerações e emprego total, com 6,1 % do emprego remunerado da economia nacional.” À data, existiam 71 885 instituições no setor. A progressão da Economia Social é indiscutível, notando-se que cresce mais do que a economia nacional do país. Este facto leva Cátia Sá Guerreiro a afirmar que a Economia social “está na linha da frente na resposta à crise social” que experimentamos no dia a dia.

Na sua apresentação, foram apontados os desafios vividos, dos quais se destacam a gestão dos recursos, a profissionalização dos colaboradores, a fidelização dos voluntários, o planeamento estratégico e a subsistência. Por outro lado, a Professora observou como é que as empresas lucrativas exercem a sua responsabilidade social corporativa, tendo em conta a reformulação do paradigma do “doing well”, que deve anteceder a preocupação do tradicional “doing good”.


Após a apresentação da oradora, os participantes puderam ver as suas dúvidas esclarecidas num debate que finalizou o encontro.



Próximas sessões do Alumni Learning Program.