Os pilares económicos da India que podem sustentar o Ocidente

05/05/2022

Os efeitos da pandemia grassaram pelo mundo. E coube a cada País encontrar a melhor forma de responder aos desafios sociais e económicos com que se depararam. Profundo conhecedor da realidade indiana, o Prof. Eugénio Viassa Monteiro identificou os pilares críticos de sucesso e sistematizou-os de maneira a poderem servir de inspiração para o Ocidente, e de um modo particular, para Portugal. O evento, organizado em parceria com a Associação de Amizade Portugal-Índia, concretizou-se a 5 de maio de 2022, na AESE, em Lisboa.


Da agricultura, ao turismo, passando pelas TIC, Joalharia, Indústria, entre outros…, foram vários os setores analisados pelo Professor e que que merecem a atenção, para um posicionamento estratégico de crescimento sustentável e de criação de riqueza para as empresas e para as populações.



A economia indiana em crescendo

A diversificação das cadeias de valor foram uma das consequências da pandemia vivida na Índia. Preetham Shivamurthy, Second Secretary da Embassy of India, responsável pelos assuntos económicos e que marcou presença da sessão como orador, caracterizou essa tendência, assim como as reformas empreendidas de maneira a sustentar a performance indiana no horizonte 2022-2023.


Na sua apresentação, o orador convidado salientou os atrativos de se fazer negócio com a Índia e o ponto de situação das relações comerciais entre a Índia e Portugal, atendendo à situação económica e às oportunidades que se preveem surgir. “Estima-se que a economia indiana cresça cerca de 9,2 %, em 2021-22, após uma contração de 7,3 %, registados 2020-21.”


A energia eólica, os painéis solares, a cooperação tecnológica e os recursos humanos são trunfos fortes para o estreitar das relações de cooperação entre ambos os países.



Legenda da Fotografia
Da esquerda para a direita | Preetham Shivamurthy (Second Secretary da Embaixada da Índia), Reginaldo Pinto Almeida (Presidente e cofundador da AAPI, e 25.º PADE), Maria dos Anjos Ramos (CEO da M.Ramos, membro cofundador AAPI e 13.º PADE), Eugénio Viassa Monteiro, Professor da AESE, membro cofundador AAPI) e Khalid Jamal (Executive Education Manager da AESE).