Notícias > “Política, Ciência e Consciência” pelo Prof. Pedro Ferro

Política, Ciência e Consciência pelo Prof. Pedro Ferro

27/10/2020, Lisboa

O mais recente livro do Prof. Pedro Ferro foi apresentado na AESE, a 27 de outubro de 2020, por Maria João Carioca, Administradora da CGD e Administradora não Executiva da Sibs.


Diretor do PADE – Programa de Alta Direção de Empresas e Professor de Ética e Política de Empresa da AESE, desde há muito que o Professor se dedica a refletir sobre temas relacionados com: “A Virtude política: Uma análise das qualidades e talentos dos governantes” (2017), “É possível aprender a dirigir” (2015), “Democracia Liberal: A política, o justo e o bem” (2012) e “A motivação dos funcionários públicos e a reforma administrativa” (2010).


Um livro que convoca de forma irrecusável
“O Prof. Pedro Rosa Ferro tem um traçado brilhante entre a Economia e a Política”, começou por dizer Maria João Carioca. A seu ver “este livro é mais uma etapa que cumpre aquilo que é um caminho de desafio, profundidade e reflexão” do professor. “Quando comecei a ler “Política, Ciência e Consciência”, com que nos brinda, logo nas primeiras páginas fui provocada com uma reflexão sobre o difícil que é tirar uma selfie ao momento presente e eu não pude deixar de pensar precisamente o oposto. Eu pensei que as páginas com que me estava a começar a confrontar se não eram de todo pop ups. Nós hoje em dia temos cada vez mais uma prática de tweets, de escrita rápida, de imagem curta e é divertido e terrivelmente contagiante – e aqueles de nós que convivem com as gerações mais jovens sabem o quão absolutamente absorvente consegue ser, mas não é sólida. E eu creio que os frutos que pode dar, porque não gosto de negar a possibilidade de que possa dar frutos, são frutos que vão precisar de um grande trabalho de amadurecimento. Pelo contrário, este livro é um trabalho de reflexão. É um trabalho profundo e resulta de uma reflexão amadurecida. É também um trabalho de erudição, que nos presenteia com bibliografia muito recente, muito extensa, muito atual e muito apropriada.”


A obra versa sobre temas da atualidade e “projeta futuro”. “São temas que estão eminentemente na ordem do dia. São nos trazidos com a sagacidade política que o próprio Professor nos recorda que é enunciada por Edmund Burke, como aquela que é capaz de distinguir entre, e cito: “os clamores e reinvidincações populares que resultam da geral debilidade da nossa natureza e aqueles que revelam a particular desordem e perturbação do nosso tempo.”


O livro discorre sobre temas que “tão marcantes” como: “o Ocidente cristão e os caminhos que têm vindo a ser tomados”, o radicalismo, “condena o relativismo”, “estuda e debate o liberalismo, em particular a democracia liberal”. “Coloca questões que nos convoca de forma irrecusável.” Maria João Carioca retirou logo nas primeiras páginas, que para o Prof. Pedro Ferro: “na base de qualquer visão e prática política está sempre uma ideia e uma teoria sobre a pessoa humana, dignidade razão e liberdade; e de algum modo sobre os seus fins e o seu bem, que são o alicerce último dos seus direitos e deveres. Salientando um excerto do autor: “a política é o lugar do debate, da persuasão, da negociação e do consenso entre pessoas de igual dignidade e valor, com ideias, propósitos, interesses, bens e direitos conflituosos”. Maria João Carioca acrescenta: “É uma recusa assertiva da inevitabilidade de uma democracia liberal contemporânea que produza um tipo humano e cito “vazio, amorfo, conformista e não particularmente interessado na sua comunidade e humanidade”.


“Acho que este livro é sobre a vida, lê muito o presente”, “equaciona o futuro, problematiza e olha para as opções que se nos colocam”.



As empresas são boas fazendo bem o que têm de fazer
Na sua intervenção, o Prof. Pedro Ferro apresentou a sua visão sobre o “purpose”, uma das buzz words do momento, que traduz a pretensão das empresas terem um propósito inspiracional no contexto corporativo, que transforme positivamente o mundo, além da expectável capacidade de gerar de lucro.


Exigência, perícia e retidão moral são princípios sublinhados pelo orador, como essenciais no governo de uma empresa. Da geração de lucro à criação de valor para a sociedade, numa lógica de responsabilidade social corporativa, o autor combate uma certa “miopia” de ambas as visões quando abordadas de maneira extremada. “As empresas têm uma lógica económica fundamental subjacente e é também uma atividade intrinsecamente humana”, que “deve ser eticamente animada”. “A empresa não é intrinsecamente neutra, nem de natureza desumana ou associal. No seu próprio core business, a empresa tem já uma bondade ontológica e uma função social: gere e distribui riqueza, oferece produtos e serviços adquiridos no mercado que fazem face a  necessidades, emprega, valoriza e remunera pessoas e capitais (…) desenvolve tecnologias, promove inovações, dinamiza a economia, paga impostos… Tudo isto contribui para o bem comum. Isto tem um valor em si mesmo. Não é preciso recobrir a atividade nuclear das empresas com o manto diáfano da responsabilidade social para que a empresa seja boa.” Para que as empresas cumpram a sua missão, “têm de fazer bem o que têm de fazer”. “A ênfase desfocada na responsabilidade social pode até contribuir para colocar a atenção das empresas naquilo que é específico”, negligenciando deveres basilares para com os seus colaboradores e a sociedade. “A visão ética dessas empresas está distorcida, é postiça.”


No seu ver, “a primeira obrigação moral das empresas, a principal responsabilidade social e a melhor maneira de impactar o bem comum e melhorar o mundo é a sua continuidade, a sua sustentabilidade, o foco na lucratividade e criação de valor. É isto que a sociedade deve pedir às empresas.”



“Período de confinamento muito prolífero em livros”

A Prof. Maria de Fátima Carioca, Dean da AESE, felicitou o autor “pois cada livro que é publicado pelos nossos professores dá-nos uma grande alegria, pelo que significa em termos quer de criação de pensamento quer de fortalecimento próprio da escola. O período de confinamento foi muito prolífero em matéria de livros” na AESE. “General Management in Latin and Ibero-American Organizations“, do Prof. Adrián Caldart, “Marketing B2B – Uma abordagem prática em mercados industriais”, do Prof. André Morgado, “Sonhando com um hospital otimista”, do Prof. José Fonseca Pires, “Contabilidade Descodificada: Como Ler e Interpretar as Contas” do Prof. Rafael Franco e ainda “Esperança e Reinvenção – ideias para o Portugal do futuro”, do qual a Prof. Maria de Fátima Carioca é coautora, são alguns dos títulos que se encontram à venda na livraria da AESE.