Testemunhos > Histórias de Alumni AESE > Soraya Gadit

Soraya Gadit

CEO da InoCrowd

Alumna do Executive MBA AESE

Em março de 2020, Soraya Gadit submeteu o registo do primeiro teste rápido para deteção de Covid-19, uma solução encontrada pela InoCrowd, empresa da qual é CEO. Formada em ciências farmacêuticas, o Executive MBA AESE dotou-a de ferramentas que lhe permitiram fundar esta plataforma de inovação aberta, que atua no mercado global e que conta já com muitos sucessos.


Quais os principais marcos na sua trajetória profissional, que contribuíram para chegar à posição de CEO da Inocrowd?
O facto de ter feito um MBA na AESE foi talvez o mais importante, pois sou da área das ciências farmacêuticas e nunca tinha tido formação na área da gestão de finanças e também em gestão de equipas. O MBA da AESE por estar baseado no método do caso acabou por me dar essas competências, não só teóricas, mas também através da aplicação teórica nos casos práticos. Foi talvez o marco mais importante.
Trabalhei durante 15 anos na Indústria Farmacêutica em multinacionais que exigiam muito rigor, organização, planeamento nomeadamente na realização de Business Plan’s Bi-anuais e muito trabalho em equipas multidisciplinares. Todas essas multinacionais exigiam que todos falássemos bem inglês, o que para a InoCrowd é muito importante pois a Inocrowd é empresa mundial (temos Solvers-Investigadores e Seekers- Organizações do mundo inteiro) e o inglês é essencial.


Quais foram as suas principais conquistas?
A principal conquista foi em primeiro lugar ter constituído uma equipa multidisciplinar e que interage muito bem uns com os outros apesar de cada um ter a sua tarefa, mas que se ajudam mutuamente.
O facto de ter começado com a InoCrowd num pedaço de papel e o resto ter sido tudo implementado, com muito esforço e dedicação com ajuda de colegas também do MBA e com ajuda de NAVES (Novas Aventuras Empresariais). O fazer acontecer sempre me deu imenso gosto.
As outras conquistas têm a ver com o facto de ter resolvido problemas/desafios de empresas como por exemplo a ANA Aeroportos, Bosch, BASF, Volkswagen, EDP, Metro do Porto (este talvez foi uma das nossas maiores conquistas, pois tratava-se de resolver um problema de fraude que consistia em detetar os indivíduos que andam no metro do Porto, mas que não compram título ou andam sem um título valido. O metro do Porto não tem barreiras físicas pelo que os utentes têm de validar o seu título num validador. O desafio aqui consistia em identificar essas pessoas e emitir um sistema de alarme que fosse dissuasor e que tivesse uma eficiência acima de 95% para além disto tudo ainda tinha de respeitar o RGPD). O desafio foi ultrapassado com uma empresa tecnológica Japonesa.


Quais as principais lições que a tornam o dirigente que é hoje?
A principal lição é não tentar fazer tudo sozinho. Devemo-nos rodear de uma boa equipa A outra grande lição é que devemos investir em tecnologias de informação que nos agilizem os processos e nos tornem mais eficientes a outra grande lição é que um cliente satisfeito vale muito mais que qualquer campanha de marketing bem feita. Todo o nosso foco está virado para o cliente.


Quais os valores pelos quais se rege e que transmite às suas equipas?
Honestidade, Ética, e muito trabalho aliado à organização e planeamento.

Se pudesse recuar no tempo, o que faria diferente?
Teria apostado mais cedo em bons profissionais, ou seja, teria iniciado o processo pela equipa e não pelo desenvolvimento tecnológico da plataforma.


Profissionalmente, como se vê daqui a 5 anos?
Neste momento a InoCrowd e devido à crise da pandemia acabou por abrir uma unidade de Saúde que se dedica totalmente a encontrar soluções inovadoras para o Covid 19. Fomos os primeiros a encontrar os testes rápidos para deteção do Ag Sars-Cov 2. Em 23 de março de 2020, estávamos a submeter o registo do primeiro teste rápido para deteção de Covid. Na altura, acreditem que até quase fui insultada por algumas autoridades. Neste momento é já é um Gold Standard na mitigação do COVID 19. Também agora mais recentemente apostámos no primeiro teste de saliva que tem uma webapp na qual o utilizador é identificado através de metodologias de reconhecimento facial patenteado a nível mundial. Após o registo digital e o processo de identificação via código QR do aplicativo (gratuito), o doente é filmado durante o processo de colheita que tem por base um simples bochecho de uma solução salina fornecida no kit, por um período de 1 minuto. A identificação do doente é feita por meio de um algoritmo sofisticado que verifica quem está a realizar a colheita. Após conclusão da colheita, a recolha do kit é solicitada através da app, para ser transportada para o laboratório. O resultado é disponibilizado pela aplicação no próprio dia se a colheita for feita de manhã, ou no máximo em 24h, ou seja, um auto-teste mas que está ligado a laboratórios certificados e ao SINAVE. O doente/utente não precisa de sair de casa. O teste do Covid 19 vai ser tão simples como lavar os dentes de manhã, antes de ir para o trabalho.
Em resumo, vejo-me a gerir, mas como CEO só da parte da saúde da InoCrowd pois é a minha paixão e vou deixar a gestão executiva das outras áreas para um CEO que desejo formar, continuando a ser administradora da empresa. Vejo a empresa a crescer organicamente, mas também através de parcerias com outras plataformas de inovação aberta, ficando uma grande plataforma de inovação aberta, a nível mundial.

Testemunhos relacionados