AESE insight

AESE insight

AESE insight > Thinking Ahead

AESE insight #20

22 de outubro 2020

Mike Rosenberg

Professor of the Practice of Management in the Strategic Management Department of IESE Business School

An intro to the Alumni Lifelong Learning Session of the 29th of november with Mike Rosenberg on the “The geopolitical situation in the new normal”

The Geopolitical Situation Prior to the 2020 American Election

During the first presidential debate in 1960, Senator John F. Kennedy explained his view that the struggle between the United States and other liberal democracies against communist Russia and China could only be won though economic prosperity in the West and the example that the US. and its allies would set for the world.


For much of the next 40 years Kennedy would be proven correct as the prosperity of the West and what came to be called the Washington Consensus dominated the world spreading free market capitalism and some form of elected government to many countries.


Along the way, the Soviet Union collapsed under its own mismanagement and inability to provide such prosperity to the citizens of Russia and the Eastern block.


As the USSR faded, China began what would be its economic, political and geo-political revival under the leadership of Deng Xiaoping. Deng’s legacy would be pursued by a series of Chinese leaders including its present Premier Xi Jinping.


After the financial crisis of 2009, the endless war in Afghanistan and the disastrous situation in post war Iraq, however, the idea that the United States was the model for the rest of the world has become an open question. Restored, to some degree, under the leadership of Barak Obama, Donald Trump has eroded the image of the United States in the rest of the world by turning his back on traditional and new american allies, coddling dictators such as the North Korean Kim Jon Un and Russian President Vladimir Putin, and allowing hundreds of thousands of Americans to die from SARS-CoV-2.


As the world enters the 2020s, the Chinese example seems to offer a counterpoint to the United States for countries across Asia Pacific and Africa. China’s one Belt, One Road initiative offers investment capital for infrastructure projects and Chinese companies offer their equipment and services backed by low interest loans form the Chinese Development Bank and other institutions. China has controlled the virus and its economy is back on track.


The other beacon of liberal democracy, The European Union is deeply struggling with its own issues, the virus, and the exit of the United Kingdom from the Union.


At the same time, there are a number of critical situations around the world including:

  • Tensions in the South China Sea and East China Sea
  • Ongoing tensions between North Korea and the United States
  • Conflict between India and Pakistan and India and China
  • Ongoing war in Afghanistan
  • Conflict between Iran and Saudi Arabia and the United States
  • Conflict between Armenia and Azerbaijan
  • Politcal instability in Iraq, Egypt, and Lebanon
  • The Israeli – Palestinian conflict
  • Civil War in Libya
  • Civil war in Syria
  • Tensions between Turkey and Rojava, the Kurdish state in Northern Syria
  • Civil war in South Sudan
  • War int he Eastern Ukraine
  • Armed groups such as Boko Harum in Nigeria and Al-Shahab in Somalia
  • Violence in the DRC
  • Institutional conflict in Venezuela
  • Criminal violence in Mexic


As if all of this was not enough, the world faces the very real threat of climate change which requires concerted action by all of the countries involved and the United States and China in particular.


The historian Niall Ferguson says that we are already in the middle of cold war 2.0 between the U.S. and China and the former Dean of the Harvard Kennedy School, Graham Allison, published a book recently asking if the U.S. and China were destined for war?


The next few years will be critically important on a number of issues and the role of the United States, and whoever turns out to be its president from 2021 – 2025 will certainly be decisive.


Four more years of Donald Trump will further erode the United States’ standing in the world as he continues to pursue his zero sum version of realpolitik. A Biden presidency, on the other hand would stress multilateral solutions to the world’s problems and bring the U.S. closer to its traditional allies in Europe, Asia, The Middle East, and Africa.

Agostinho Abrunhosa

Professor de Operações, Inovação e Tecnologia, Secretário-Geral e Membro da Direção da AESE Business School

Este artigo que recomendo fala-nos de 4 grandes forças tecnológicas que estão a mudar as nossas vidas: IoT, AI, Big data e 5G.

When AI meets IoT technology

Recordo-me de há uns anos alguém dizer num caso “sou um sortudo por ter nascido numa época tão avançada tecnologicamente”.


Hoje ficaria surpreendido com o que a tecnologia permite e de forma acessível.


Este artigo que recomendo fala-nos de 4 grandes forças tecnológicas que estão a mudar as nossas vidas: IoT, AI, Big data e 5G.


Cada uma delas é um enorme salto em frente, mas a sua interligação permite potenciarem-se e criar aplicações que nos vão surpreender.


Esta integração e a crescente densidade digital leva a modelos de negócio inovadores que iremos ver surgir nos próximos tempos.

José Luis Nueno

Profesor Ordinario del Departamento de Dirección Comercial y titular de la Cátedra Intent HQ de Cambios en el Comportamiento del Consumidor, IESE Business School

¿Cómo evolucionarán las ventas online del gran consumo en los próximos años? ¿Cuál es el futuro de las tiendas físicas? ¿Cuántas marcas tradicionales venderán directamente al consumidor? ¿Qué oportunidades ofrece el nuevo escenario a las startups? ¿Cuáles son las claves para tener éxito?

DTC: cómo llegar al consumidor cuando desaparecen las tiendas

¿Cómo evolucionarán las ventas online del gran consumo en los próximos años? ¿Cuál es el futuro de las tiendas físicas? ¿Cuántas marcas tradicionales venderán directamente al consumidor? ¿Qué oportunidades ofrece el nuevo escenario a las startups? ¿Cuáles son las claves para tener éxito?


El libro Directo al consumidor, de José Luis Nueno, analiza la revolución que va a vivir el retail en los próximos cinco años por el auge en el mercado de los millennials y las marcas DTC (siglas de “direct to consumer”). Estas marcas verticales eliminan los márgenes de los intermediarios, son más ágiles gracias a una cadena de suministro externalizada y extraen más valor a través de la relación directa con miles de consumidores finales.


El autor vaticina que van a provocar la desaparición de muchas empresas tradicionales y que también se verán afectadas por esta revolución las infraestructuras, las plataformas, las agencias y centrales de medios y los especialistas de marketing, así como las tiendas y las calles comerciales.


Los hechos parecen avalarlo: en 2018 cerraron sus puertas más tiendas físicas que en ningún otro año desde el nacimiento de la distribución moderna a finales del siglo XIX. Y la crisis provocada por la COVID-19 no hará más que acelerar el proceso.


Los secretos de las marcas DTC
El libro analiza algunos ejemplos DTC en el sector del mobiliario, la cosmética, la alimentación o las ópticas, y propone una categorización de esas marcas en tres modelos de negocio principales: compra directa, suscripción y compra de servicio.


El primer modelo sigue la mecánica de cualquier marca online, con ofertas de productos a los que se puede acceder a través de internet; el segundo, el de suscripción, permite suscribirse a una marca que sirve regularmente la cantidad del producto que necesita (por ejemplo, un pienso hecho a medida para su perro); y el tercero son ventas de producto que incorporan un elemento de servicio, como la aplicación en el caso de un cosmético.


Los casos prácticos de Tails.com, Hubble, Dollar Shave Club, Nespresso, Starbucks, Blue Apron, LoMonaco, Brandless y Ametller Origen permiten observar cuáles son las características del modelo DTC y las lecciones aprendidas por las empresas pioneras en esta categoría, además de comprobar la pérdida de relevancia del tamaño como factor competitivo clave. Las estrategias de marketing, operaciones y financiación de este tipo de marcas son algunos elementos clave sometidos a análisis.


Finalmente, el libro explica con un ejemplo cómo construir una marca DTC, aportando información detallada en cuanto a la inversión, las herramientas de software y sus estrategias de lanzamiento, y concluye con unas recomendaciones sobre la estrategia de futuro para las marcas de gran consumo.


Omnicanalidad
Conviene tener en cuenta que un elemento clave en el futuro del retail es la omnicanalidad. Cada vez más compras en las tiendas se realizan después de haber estado comprando digitalmente y una de cada cuatro compras digitales se hace después de haber comprado en una tienda física (algo que probablemente se acentuará tras la pandemia de COVID-19).


Las transacciones DTC están haciendo perder su hegemonía al modelo físico, que es sustituido por múltiples fórmulas híbridas en las que se transacciona entre las tiendas físicas y el e-commerce puro.


Como consecuencia de todo ello, las grandes marcas tradicionales están llevando a cabo adquisiciones de marcas DTC, como Native por parte de P&G (por 100 millones de dólares) o Dollar Shave Club por parte de Unilever (por 1.000 millones de dólares), para experimentar con este modelo.


Otras marcas como Pepsico están organizando inversiones estratégicas en aceleradoras o incubadoras. Por su parte, L’Oréal o Mars Petcare han desarrollado sus incubadoras de startups focalizadas en producto, cadena de suministro y transformación del retail.


Las adquisiciones que llevan a cabo las grandes marcas tienen como objetivo adquirir capacidades o datos, o simplemente entrar en el modelo directo tratando de no molestar a los detallistas tradicionales.


A pesar de que el libro se inspira en los emprendedores y sus iniciativas DTC, sus mayores beneficiarios pueden ser las grandes empresas que presten atención al auge de este fenómeno para tutelar su desarrollo y eventualmente capturar sus ventas. No hay que olvidar que, como advierte José Luis Nueno, “la clave del DTC es la C. El Consumidor, con ‘C’ mayúscula, nos está revelando lo que quiere y hará caso a las empresas que le hagan caso a él”.


Artigo publicado no IESE insight.

Manuela Santos

Mãe de dois rapazes de 9 e 12 anos e Gestora de Projetos na Axians Portugal.

Participante do 24º PGL

O Programa teve início uma semana antes de entrarmos em quarentena, quase nem tivemos tempo de nos conhecermos. Pensei por momentos que iria tudo por ‘água abaixo’, aquilo que procurava já não iria ser possível caso a AESE optasse por seguir com o Programa online, pois a partilha entre pessoas que não conhecemos é mais difícil e o contacto presencial não existe.

One’s mind, once stretched by a new idea, never regains its original dimensions

Quando tomei a decisão de me inscrever num programa de formação para executivos, encontrava-me numa fase que precisava de ter algo que me desafiasse e que me desse uma nova forma de olhar para o mundo que me rodeia. Para isso, tinha de encontrar uma escola que me proporcionasse o que procurava, com um método diferente de ensino e que não fosse muito longo. Também era importante ter participantes no programa de diferentes áreas de negócio e profissões, por forma a existir uma partilha de ideias e experiências. A instituição de ensino que me poderia proporcionar o que estava à procura seria a AESE, dado que utiliza o método do caso. Eu já tinha frequentado nesta escola um Seminário e tinha gostado bastante da forma de passagem de conhecimento.

Tendo em conta o que procurava encontrei o PGL – Programa de Gestão e Liderança – que reunia de alguma forma aquilo que pretendia.

O Programa teve início uma semana antes de entrarmos em quarentena, quase nem tivemos tempo de nos conhecermos. Pensei por momentos que iria tudo por ‘água abaixo’, aquilo que procurava já não iria ser possível caso a AESE optasse por seguir com o Programa online, pois a partilha entre pessoas que não conhecemos é mais difícil e o contacto presencial não existe.

Mas isso não aconteceu, a AESE fez uma coisa diferente, realizou alguns webinares com o grupo tentando criar alguma união e motivação das pessoas durante este período tão diferente que estávamos a viver, o que me levou a ter a certeza que tinha escolhido bem a escola.

O programa recomeça e, durante 16 semanas, tive contacto com várias áreas de conhecimento, passo a nomear algumas delas: Comportamento Humano, Marketing, Finanças, Contabilidade, Operações e Política de Empresa. Todas estas áreas foram trabalhadas através de casos reais que foram discutidos em grupo de trabalho o que me permitiu obter vários pontos de vista para a resolução dos mesmos ou então encontrar um novo caminho para o negócio ou para as pessoas que estavam retratados no caso. Os professores transmitiram os conhecimentos com base no trabalho realizado em grupo, o que foi muito enriquecedor.

Agora que chegou ao fim, sinto que estou um pouco diferente, pois já olho para a minha atividade e para as situações que acontecem de uma forma diferente, conseguindo obter outras soluções que no passado parecia que ia ser difícil. Penso que o que este programa tem de especial é a forma como é efetuada a partilha do conhecimento através do seu corpo docente tão qualificado e preparado para este método. Também de realçar a forma como os grupos de trabalho são formados, tentando uma heterogeneidade nos mesmos, o que ajuda a ter diferentes pontos de vista.

Além dos conteúdos e da partilha do grupo, vou cheia de vontade de realizar o meu trabalho de uma forma ainda mais humana e com mais responsabilidade para tornar a empresa onde trabalho ainda melhor.

Sinto-me diferente, mais completa (com novas aprendizagens) e com uma nova forma de olhar o mundo.

Deixo uma citação que resume esta minha viagem:
“One’s mind, once stretched by a new idea, never regains its original dimensions.” ~ Oliver Wendell Holmes

Um Obrigada

Raquel Quaresma

Solution Selling Expert, Strategic Thinking, Transformation & Communication

Participante do 24º PGL

Foi uma viagem extraordinária, e como tudo na vida, o que faz a diferença são as pessoas gostaria de destacar o sentido de rigor, o ensino de excelência e a humanidade de toda a equipa com quem trabalhámos.

Desviando o nosso pensamento da formatação imposta pela nossa rotina, permitindo introduzir um novo olhar sobre as situações

Gostava de começar com o meu 1º encontro com a AESE, há cerca de dois anos atrás, num evento comemorativo do dia da mulher, que juntou profissionais mulheres da indústria do IT, no qual tive oportunidade de conhecer a Engª Fátima Carioca e a Catarina Heleno. Tive o gosto de partilhar com ambas experiências e trocar ideias sobre a escola AESE,  e como seria a articulação com o trabalho, uma vez que sentia uma grande vontade de voltar a estudar e, confesso, fiquei logo com muita curiosidade de explorar melhor este mundo da AESE e a sua formação.


Em Outubro tomei a iniciativa de avançar e, na entrevista com a Dra. Lúcia Vasco – Diretora do PGL, percebi que seria o timing perfeito para voltar a estudar e que o PGL era a formação indicada, dada a minha experiência e os meus objetivos profissionais.


A nível de objetivos, ambicionava desenvolver competências de liderança, de maior interação e gestão de equipas e contribuição para um maior desempenho, desenvolver um pensamento mais estratégico e adquirir maior conhecimento e progressão profissional. Tinha visto nos vários depoimentos que o PGL desenvolvia não só as competências profissionais e pessoais, mas que o resultado era uma verdadeira transformação! E essa transformação era o meu grande objetivo.


Posso dizer que, apesar de algumas dificuldades e vicissitudes e até pelo momento incerto que atravessamos, o PGL é uma excelente ferramenta pessoal e profissional e que nos ajuda, ainda mais nestes tempos de pandemia, a encarar e a analisar as situações do dia a dia com outras perspetivas.


Essa é uma das grandes riquezas do PGL, dotar-nos de competências para pensarmos de forma diferente, desviando o nosso pensamento da formatação imposta pela nossa rotina, permitindo introduzir um novo olhar sobre as situações que se nos apresentam com uma maior confiança na avaliação e na tomada de decisões estratégicas.


Também em relação ao programa, acho muito interessante o facto de apenas conhecermos os planos de trabalho semana a semana, mantendo o fator surpresa e a interligação entre as várias disciplinas à medida que o programa vai ficando mais denso e mais rico.


Sobre a dinâmica e o trabalho de grupo, sem dúvida uma experiência muito interessante que permite trabalhar com diversidade, o que vamos aprendendo nas aulas é fazer a transposição para a nossa realidade. A discussão dos casos é tanto mais rica quanto maior for o espírito de cooperação e superação e, aqui, saliento o expoente máximo, em que o sentimos pela 1ª vez, com o exercício do simulador. Pode até parecer estranho, mas todo o nosso 24 PGL foi ajustado às restrições atuais e até esse momento os trabalhos de grupo eram via zoom. Esta foi uma experiência intensa e desafiante, criando um forte sentimento de grupo e união para atingirmos o objetivo final, pois queríamos muito ganhar!


Destaco a riqueza dos casos que nos são apresentados, alguns mais próximos da minha realidade o que me permitiu aportar valor e partilhar a minha experiência de vendas. Bem como o trabalho de empreendedorismo, que nos permitiu aplicar os conhecimentos sobre visão estratégica e plano operacional.


Foi uma viagem extraordinária, e como tudo na vida, o que faz a diferença são as pessoas gostaria de destacar o sentido de rigor, o ensino de excelência e a humanidade de toda a equipa com quem trabalhámos.


Todo o grupo do 24 PGL é um grupo excelente, com pessoas muito boas e com um network muito forte.


Posso dizer que por mais ideias que eu possa ter conceptualizado com a escola, os professores, o método de ensino e toda a equipa de apoio da escola, superaram as minhas expetativas.


Esta vivência é para mim um marco muito importante e uma forte alavanca no meu percurso profissional.


Muito obrigada à AESE, aos Professores, a toda a equipa do PGL e um forte agradecimento à Dra. Lúcia Vasco pela oportunidade, sem o seu contributo esta experiência não seria a mesma.

Ricardo Bilé

Subdirector IT na EDP – Digital Global Unit, responsável pelos sistemas: Financial, Supply Chain Management e Human Resources (SAP ERP).

Participante do 24º PGL

Não sei como terá sido em programas anteriores, mas tive o privilégio de ter um grupo de colegas de diversas áreas de negócio com abertura para analisar as situações de diversos ângulos e de debater diversas abordagens, respeitando sempre as ideias de cada um, mesmo quando não estávamos de acordo.

Tudo aquilo que fazemos, a forma como agimos, os nossos comportamentos e atitudes têm um reflexo no outro

Quando entrei na AESE, as expetativas sobre o programa do PGL eram elevadas, por 2 motivos: pela investigação pessoal realizada nos meios de comunicação sobre a AESE e respetivos depoimentos, mas acima de tudo pelo feedback muito positivo de colegas da EDP que já tinham realizado o programa PGL.

Após vários meses a participar no programa posso concluir que as expectativas foram fortemente superadas. Este sentimento de satisfação ocorre por diversos motivos dos quais saliento os seguintes:

Método do Caso – é um método muito interessante que promove a discussão e partilha das experiências de cada participante (de acordo com a temática do caso em estudo) e permite aos professores desafiarem-nos a vermos diversas perspetivas. Também desta forma são nos transmitidos os conceitos mais teóricos, sem que as aulas se tornem “demasiado académicas” onde a expectativa de não utilização no dia a dia se verifique.

Experiência dos Professores – os professores que fazem parte do programa para além do conhecimento académico das temáticas, têm uma grande experiência profissional que permite que os casos sejam debatidos e analisados a partir de uma visão muito pragmática e real.

Colegas do Programa – não sei como terá sido em programas anteriores, mas tive o privilégio de ter um grupo de colegas de diversas áreas de negócio com abertura para analisar as situações de diversos ângulos e de debater diversas abordagens, respeitando sempre as ideias de cada um, mesmo quando não estávamos de acordo.

Organização da AESE – sobre a batuta da maestrina Drª. Lúcia Vasco todo o programa está muito bem estruturado e organizado e, mesmo atravessando a atual conjuntura de pandemia com quarentena e afins em que o próprio formato das aulas teve de ser revisto inicialmente, todos os obstáculos foram superados com sucesso.

Durante as aulas, obtivemos diversas técnicas específicas para aplicarmos nas nossas atividades diárias no regresso ao trabalho, quer sejam de gestão de produtividade, análise financeira, modelos de marketing e custeio ou gestão de operações. Pessoalmente levo para o meu dia a dia a técnica principal que ao longo destas semanas andou sempre no meu pensamento e está na base de todos os casos: o respeito pelo Indivíduo.

Tudo aquilo que fazemos, a forma como agimos, os nossos comportamentos e atitudes têm um reflexo no outro, reflexo esse que em determinados momentos nos é difícil de gerir, mas temos sempre de pensar que sentimentos estamos a despoletar na outra pessoa. Não temos de ser amigos de todos, aliás o grupo de amigos de cada um de nós é seguramente restrito, mas temos de nos respeitar e de nos educar a fazermos tudo o que estiver ao nosso alcance no desenvolvimento profissional e pessoal de cada indivíduo com quem nos cruzamos.

De forma resumida, a experiência obtida durante o PGL é muito enriquecedora individualmente porque faz-nos crescer, mas acima de tudo ensina-nos a fazer crescer os outros. Há expressões de professores e colegas que vão ficar para sempre na memória (muitas expressas na paródia): “Dinheiro compra cerveja”, “O problema são as pessoas”, “Não existem relações win-win, senão somos o pato”. Estou muito satisfeito por ter participado no 24º PGL da AESE.

Obrigado a todos!