Notícias > Executive MBA

Entrepreneurial Initiative do 20.º Executive MBA AESE

1/07/2022

O 20.º Executive MBA AESE subiu ao palco para, em 10 minutos, apresentarem os planos de negócios concebidos como trabalho final de programa. Prestes a receber o diploma, a apresentação pública realizou-se a 1 de julho de 2022, na AESE Business School, em Lisboa.


Francisco Vieira, Professor responsável pela cadeira e anfitrião do evento, sublinhou a importância do trabalho de equipa desenvolvido pelos participantes.

“A crescente necessidade de descobrir novas oportunidades de negócio está na base do design, do desenvolvimento e da implementação de novos projetos. Esta disciplina do Executive MBA inclui a análise de casos de empresas criadas com base em iniciativas individuais, mas também oferece contacto direto com empreendedores de sucesso e outras entidades económicas. Nos dois últimos semestres do MBA, os participantes organizam-se em grupos com o objetivo de explorar as complexidades subjacentes à criação, planeamento e estruturação de novos projetos, culminando este processo com o lançamento e a apresentação pública das suas iniciativas empresariais a gestores de fundos e sociedades de capital de risco. Dos projetos desenvolvidos nas várias edições do Executive MBA, vários foram apoiados financeiramente por Sociedades de Capitais de Risco e Investidores, o que possibilitou a constituição de empresas em áreas como a energia, a saúde, o desporto e os serviços.”

Entre os presentes, contaram-se os alunos, professores, investidores e convidados. Os planos de negócios, em 2022, refletem soluções para os desafios do setor de sustentabilidade, economia circular, descarbonização, novas formas de trabalho, entre outros…, i.e, pontos prioritários na agenda social e empresarial do país.


Muitos foram já os participantes do Executive MBA que levaram o seu plano de negócios à prática, deixando o seu emprego à data e apostando na fundação de uma start-up com êxito.



O caso Mercadão: um exemplo inspirador
O evento teve como oradora convidada Mónica Amorim, uma empreendedora que se distinguiu pelo desenvolvimento das operações e das pessoas do Mercadão. A sua trajetória profissional foi contada na primeira pessoa, antes da apresentação das Entrepreneurial Iniciatives do Executive MBA.

Com experiência em multinacionais, o Mercadão surge como um novo desafio que consiste “num marketplace com várias lojas de referência, parceiros exclusivos, tudo no mesmo carrinho de compras!”. Mónica Amorim falou sobre as oportunidades e os obstáculos sentidos, atendendo ao projeto em 2020, ao desenvolvimento do negócio e aos desafios da operação escalável, durante o período de Covid-19.


Entrepreneurial initiatives 2022

4Linkers

Duarte Rego | Margarida Jerónimo | Ricardo Nunes | Salvador da Cunha
“A 4Linkers é uma empresa portuguesa, que desenha, implementa e mede o impacto de programas de voluntariado corporativo internacional. O desenho destes programas é feito em estreita relação com o cliente (empresas), integrando a visão deste sobre Responsabilidade Social Corporativa e os seus objetivos específicos numa experiência imersiva de voluntariado especializado em comunidades de países em desenvolvimento. Numa primeira fase, os clientes alvo são empresas do mercado português de média e grande dimensão, de diversos setores de atividade e com uma equipa com níveis mínimos de consciencialização sobre temáticas de sustentabilidade e responsabilidade social. De forma a garantir uma implementação bem-sucedida e com impacto no longo prazo, os programas de voluntariado corporativo são suportados em parcerias estratégicas com ONGDs de referência na gestão inteligente do talento dos voluntários (adequação do seu perfil às necessidades das comunidades em desenvolvimento). Um exemplo concreto será um programa de voluntariado corporativo dedicado à capacitação de comunidades locais em matérias de gestão, contabilidade, marketing, apoio jurídico, entre outros.”


Altogether Capital
Bruno Rocha | Humberto Martins | Rui Clara | Francisco Frazão
“A Altogether Capital (ATC) é uma empresa de consultoria especializada no apoio a bancos, visando proporcionar um serviço de valor acrescentado em relação a situações de incumprimento do crédito bancário. Pretende assim identificar ações subsequentes ao não pagamento de prestação de empréstimo por uma empresa, sendo uma resposta especializada que colmata a necessidade do banco em antecipar próximos passos e, nos casos adequados, dispor de planos de intervenção ajustados ao negócio financiado. Como estratégia de arranque e diferenciação da ATC assume-se um foco na Indústria Têxtil e do Vestuário (ITV), tendo em conta a estrutura deste setor e a sua exposição ao crédito bancário. Com uma proposta de serviços modular na análise, desenho de intervenção e acompanhamento, a ATC oferece uma solução integrada aos bancos, visando uma melhor gestão do crédito empresarial concedido e, consequentemente, a sua rentabilidade e menor dispersão em atividades fora do seu objeto principal.”


COEX
André Garcia | Gonçalo Cúmano | João Mendes | Jorge Faria | Ricardo Bernardes
“A neutralidade carbónica é um objetivo comum e os desafios energéticos que se colocam ao mundo, colocam estas metas num patamar difícil de alcançar. Ou talvez não… Existem diversos caminhos possíveis para alcançar estes objetivos e a COEX pretende contribuir com uma proposta de valor assente na circularidade do carbono, na sustentabilidade e ao mesmo tempo na produção de energia que tanto tem assombrado os países-membros pelo contexto da situação geopolítica atual e pela crescente subida de preços. A COEX apresenta uma solução tecnológica diferenciada, sustentável do ponto de vista ambiental, financeiro e abraça o compromisso da descarbonização da indústria e da redução do aquecimento global. A COEX, com a sua solução CO2END1.0, ao capturar e utilizar o carbono como matéria-prima para depois o transformar num ativo valioso (CH4), desenvolve a sua tecnologia numa perspetiva de Carbon Circular Econonomy e permite à indústria reduzir o impacto ambiental da sua atividade e obter uma nova fonte de receita.”


DOCMAN
Carlos Gomes | Francisco Cosme | Manuel Cordeiro | Pedro Oliveira | Sónia Oliveira
“Agilidade, conveniência e personalização. Três atributos da Era Digital que fazem parte da proposta de valor das empresas de sucesso. Com uma forte orientação ao cliente e à sua experiência enquanto utilizador, as empresas investem em tecnologia e soluções para automatizar processos, remover burocracia, eliminar pain points e criar novos modelos de negócio. As que não fizerem este caminho, terão dificuldades em assegurar a sua sustentabilidade. É o caso das empresas tradicionais de contabilidade e assessoria fiscal, que apesar de operarem num mercado de serviços maduro, necessitam de continuar a investir em tecnologia e inovação para ir ao encontro das necessidades atuais dos clientes. A nossa solução permite responder a este desafio, pois combina tecnologia com um novo modelo de negócio, mais dedicado, personalizado, e exclusivo para a classe médica. Através da nossa solução, uma aplicação desenvolvida para ambientes web e mobile, o médico terá condições de reduzir o esforço na comunicação e partilha de documentação com o contabilista, ao mesmo tempo que receberá informação útil de forma mais automática e estruturada. A DOCMAN permitirá alterar o paradigma tradicional da típica relação cliente / contabilista, permitindo reduzir a burocracia entre ambos, estabelecer um contacto mais próximo, deixando espaço para uma maior dedicação e personalização. Esta aplicação funcionará também como um ecossistema exclusivo para médicos, onde para além do tratamento de assuntos contabilísticos e fiscais, estes poderão gerir demais processos administrativos e de gestão, facilitando assim o seu dia-a-dia.”


Évora Living Story
Marco Marta | Octávia Sá | Patrick Mendes | Pedro Alves | Tiago Rodriguez
“O atual plano de negócios visa o desenvolvimento de uma Residência de Estudantes em Évora com 324 Suites, direcionado para o alojamento de estudantes universitários. O conceito de negócio do Évora LIVING STORY (ELS) foi desenvolvido de forma a proporcionar uma opção de alojamento aos estudantes universitários na região de Évora com integração de uma oferta de serviços que visam proporcionar principalmente, entre outros, conforto, segurança e privacidade de forma sustentável. Espaço único com fornecimento de todo o apoio, serviços e comodidades, e uma equipa de suporte, permitindo que os residentes e utilizadores do espaço vivam experiências e criem memórias inesquecíveis para a vida. O conceito a explorar, é um projeto híbrido, focando-se em residência para estudantes de setembro a julho de cada ano letivo, e diversificando no mês de agosto para aluguer por quarto para turistas (Évora registou em 2018 uma média mensal de 11.882 visitantes), maximizando assim a rentabilidade do investimento realizado. Projeto ajudará a uma reorganização da oferta de alojamento no mercado imobiliário local por segmento de procura. Aumentando a oferta de alojamento para estudantes, irá derivar em disponibilização de alojamento local em zonas históricas que poderá vir a ser utilizado para outros fins (turismo, deslocados – mercado de trabalho, etc.).”


Virgile & Beatrice
Bruno Vilar | Diogo Pereira | Maria de Castro | Nuno Silva | Pedro Neves
“A indústria da moda apresenta-se como uma das mais poluentes do mundo. Do cultivo das matérias-primas à produção do têxtil, coloração ou transporte, o ciclo de produção de uma peça de roupa pode ser extremamente lesivo para o meio ambiente. Não espanta, por isso, que determinados estudos revelem que o custo de estar sempre na moda é muito mais caro do que o preço monetário que pagamos por isso. A Virgil & Beatrice (VB) surge como uma nova marca de moda focada, numa fase inicial, na comercialização de ténis casual unissexo sustentáveis, feitos a partir de PVC que, quando aplicado a artigos de calçado, garante versatilidade, conforto, durabilidade, impermeabilidade à água e fácil manutenção. Ao utilizar um material excedentário de outras indústrias, os produtos VB serão reciclados e recicláveis, o que permitirá aplicar no nosso modelo de negócio o ciclo virtuoso da economia circular por via do produto e do serviço que oferecemos. Os produtos VB apresentam um design intemporal, versátil e original, alinhado com o conceito de slow fashion que pretendemos promover. O modelo de negócio a desenvolver pressupõe a dinamização de capacidades instaladas em Portugal, no sentido de aproveitar produtos de procedimentos de manufatura de artigos, mantendo internamente as dinâmicas-chave, nomeadamente o design, e adjudicando a produção a terceiros. A VB é muito mais do que uma alternativa ao calçado tradicional, é o passo que a indústria da moda precisa de dar, um caminho para construir um legado próspero para as gerações futuras. É acreditar que a mudança começa em cada um de nós, pela compra de produtos que se distinguem por beneficiar a sustentabilidade do negócio, da sociedade e do planeta.”



Artigos relacionados
Homenagem ao Prof. Vasco Bordado pelos 20 anos na AESE